Cruzamento entre Humano e Animal gera polemica entre cientistas| veja as fotos

Cientistas dizem que é para o bem pois ajudaria a curar varias doenças 

Pode até parecer loucura, mas a ideia da Agência de Saúde dos Estados Unidos, o Instituto Nacional de Saúde (INS), está realmente sendo avaliada. Por enquanto eles esperam financiamento do governo para que o estudo de misturar células humanas com os embriões de animais possa acontecer.
Aparentemente, o estudo tentará combinar seres humanos e animais de forma a criar uma nova “mistura”. Mas a ideia ainda provoca muitas controvérsias e causa repulsa para os críticos, principalmente por conta da ética. Ativistas contra híbridos humano-animal acreditam que isso levará a uma completa destruição das espécies do mundo.
Mas, de acordo com o INS, o estudo poderia gerar grandes descobertas para acabar com doenças como o Alzheimer e o Parkinson. Além disso, também poderia ajudar no crescimento de órgãos necessários em transplantes humanos.
Em 2009, o INS teve orientações emitidas pela Pesquisa de Células-Tronco Humanas que proibiram o uso de células humanas na fusão de animais, assim como procriação de animais usando óvulos ou células-tronco. Isso foi elogiado por ativistas contra híbridos humano-animal.

Mas foi em 2015 que as coisas mudaram um pouco. A agência emitiu um comunicado sobre a pesquisa do uso de células humanas em cérebros animais. Entretanto, o INS parece ter mudado de ideia e agora quer se arriscar em um campo que foi negado anos atrás.

Para os críticos, essa é uma questão que pode acarretar sérios problemas éticos, ainda mais considerando o que a população hoje vê como aceitável. Eles acreditam que é totalmente antiético alterar o cérebro de um animal com células humanas, ainda mais pelo fato de os animais não conseguirem se comunicar com os humanos para saber sobre sua decisão.
O pesquisador, Stuart Newman, diz que se o estudo tiver o apoio do governo, irá expor os animais ao sofrimento, coisa que muito provavelmente os pesquisadores não saberão. E ainda diz que o estudo é uma área que o INS não deveria ter como investigar.
“Digamos que nós tenhamos porcos com células humanas e eles estão se perguntando porque estamos fazendo esses experimentos neles. E se tivéssemos corpos humanos com cérebros animais e então você diga ‘Bem, eles não só realmente humanos, nós podemos fazer experimentos nele e retirar órgãos deles’, esclarece Newman.
E continua: “Eu estou indo a cenários extremos, mas 15 ou 20 anos atrás apenas fazer estes embriões quiméricos seria considerado um cenário extremo. É apenas uma estrada que não deveríamos seguir. Nós não temos nenhuma lei que nos fará parar”.
Ao que tudo indica, isso não fez com que os pesquisadores recuassem. A diretora associada de política científica do INS, Carrie Wolinetz fez uma declaração no site da agência que o motivo de irem em frente com uma pesquisa que foi negada no passado irá ajudar os pesquisadores da INS.
“Eu estou confiante que essas mudanças propostas irão possibilitar as pesquisas da comunidade da INS a desenvolver essa promissora área da ciência de uma forma responsável”, disse ela.
E não é só isso. Carrie ainda relata que não é a primeira vez que células humanas são usadas em animais; isso já aconteceu várias vezes na indústria biomédica.
“Pesquisadores criaram e usaram modelos animais contendo células humanas por décadas para obter informações valiosas na biologia humana e no desenvolvimento de doenças. Por exemplo, as células cancerígenas humanas são rotineiramente cultivas em ratos para estudar os processos do câncer e avaliar potenciais estratégias de tratamento”, é o que diz Carrie em declaração.
Mesmo assim, para os críticos a situação é completamente diferente. O processo do INS seria injetar células-tronco humanas em embriões animais em uma fase muito precoce, o que significaria que as células humanas poderiam teoricamente contribuir no desenvolvimento do animal. Assim, o animal se tornaria algo meio humano e meio animal. É por essa razão específica que os críticos são totalmente contra esse estudo.
De qualquer forma, nem todos parecem concordar com eles. Alguns, como o diretor da Universidade Columbia, mestre do programa de bioética, Robert Klitzman, inclusive já defenderam a pesquisa já que poderia ajudar a curar milhares de pessoas com doenças. Mas ele sente que deveria ter um comité forte e independente no estudo para prevenir quaisquer abusos dos pesquisadores.

“Se nós queremos fazer uma pesquisa sobre a esquizofrenia e o Alzheimer e depressão, nós não podemos prontamente pegar células cerebrais humanas com essas doenças, porque não podemos abrir cérebros humanos enquanto as pessoas estão vivas.
Ao que adiciona: “Nós precisamos ser cautelosos com as células cerebrais humanas. O que não queremos é um camundongo ou um chimpanzé que de repente tem qualidades humanas, porque moralmente isso cria um grande número de problemas”, diz ele.

E você? O que acha disso? Seria uma boa ideia?

Fotos: Organic And Healthy, Reprodução/Facebook



Sobre nos Young Dv

Este Portal foi criado com intuito de levar ate a sua casa o melhor do entrenimento angolano e não, se for musico, pintor, designer, etc. e querer anunciar no nosso site não exite e ligue para 998520502.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários :